14 Novembro, 2017 16:03

Piauí participa do 7º SemiáridoShow, em Pernambuco

O grupo de 30 pessoas contou com beneficiários do Viva o Semiárido e Progere II.

Larissa Machado
(Larissa Machado)

O governo do Piauí, por meio da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Rural (SDR), enviou um grupo de 30 pessoas, dentre técnicos, equipe da diretoria de inclusão produtiva da SDR, representantes da Cootapi, CEAA, Engeter e associações e cooperativas beneficiadas pelo projeto Viva o Semiárido e pelo Programa de Geração de Emprego e Renda (Progere II) para participarem da sétima edição do SemiáridoShow, em Petrolina (PE). O evento aconteceu de 7 a 10 de novembro e foi promovido pela Embrapa Semiárido.

Com o tema “Bioma Caatinga, Recursos Hídricos e Tecnologias: Perspectivas Socioambientais”, o evento foi uma oportunidade de acesso às inovações tecnológicas, produtos e serviços desenvolvidos pela Embrapa e instituições parceiras de pesquisa, ensino e extensão rural. Foi uma semana com uma vasta programação de seminários, oficinas e minicursos, voltada para a expansão do saber.

Durante o evento foram trabalhadas temáticas como "A igualdade nas relações do campo", "Solos do bioma caatinga", "Políticas públicas para a inovação na agricultura familiar do semiárido brasileiro" e ainda ofereceu minicursos sobre manejo de irrigação de baixo custo para a agricultura familiar, oficina de beiju colorido enriquecidos com frutas e hortaliças, controle integrado de verminose e criação de galinha na agricultura familiar.

Com o tema “Bioma Caatinga, Recursos Hídricos e Tecnologias: Perspectivas Socioambientais”, o evento foi uma oportunidade de acesso às inovações tecnológicas, produtos e serviços desenvolvidos pela Embrapa e instituições parceiras de pesquisa, ensino e extensão rural. Foi uma semana com uma vasta programação de seminários, oficinas e minicursos, voltada para a expansão do saber.

Pedro Gama, chefe geral da Embrapa Semiárido, afirmou que o evento atingiu seu objetivo de criar um espaço de diálogo entre técnicos e agricultores. “Apesar de estarmos vivenciando um momento extremamente adverso, por conta da seca que se estende nesta região por mais de seis anos, e ainda das dificuldades de ordem orçamentária que abatem todo o país, tivemos sucesso no evento. Foi criado um ambiente de diálogo entre técnicos, trouxemos algumas atividades portadoras de futuro como o uso de energias alternativas na agricultura”, avaliou.

Sobre o Piauí, Pedro Gama afirmou ainda que existe uma parceria interessante este estado e, que este vínculo foi bastante estreitado, em decorrência do incentivo do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), que beneficia cinco estados do nordeste, dentre eles, o Piauí e Pernambuco.

Para Lúcia Araújo, diretora técnica do projeto Viva o Semiárido, o grupo enviado pelo Piauí ao foi bastante expressivo. “Foram representantes da cajucultura, apicultura, artesanato, extrativismo do coco babaçu, além de termos tido a participação do nível comunitário de associações e nível técnico. Eles tanto ficaram na parte de comercialização de seus produtos, como em seminários e cursos no campo da formação. Foi muito rico. Houve um despertar pelo aprender por parte dos produtores. Além disso, tudo o que levamos foi muito bem comercializado”, enfatizou Lúcia Araújo.

José Eusébio de Carvalho é apicultor na comunidade Barro Vermellho, em Paulistana, e um dos contemplados pelo projeto Viva o Semiárido. “Para mim foi maravilhoso ter tido oportunidade de ter participado deste evento representando os apicultores do Piauí, principalmente, os da Central de Cooperativa Casa Apis, expondo e comercializando os nossos produtos da agricultura familiar, além de ter mostrado o valor do nosso mel. Outro fator relevante foi o aprendizado adquirido por meio das palestras e cursos. Pretendo multiplicar este aprendizado na nossa base de produção”, disse.

Maria de Fátima Ferreira é quebradeira de coco, desde a infância. Atualmente acumula a função de coordenadora do Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu – PI (MIQCB) e é uma das beneficiadas pelo Programa de Geração de Emprego e Renda (PROGERE II). “Aprendi muito com as palestras. Levarei este conhecimento para minha comunidade. Lá, produzimos azeite de babaçu, horta e mesocarpo. Comercializamos nossos produtos nas feiras e, há cinco anos, também vendemos para o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA – Compra Direta). Agradeço ao governo do estado pela oportunidade de participar deste evento tão enriquecedor”, declarou.

 

 

 

Autoria: Larissa Machado
Tags: