13 Maio, 2019 15:15

Seplan realiza curso em Castelo do Piauí e Campo Maior para estimular venda de produtos da agricultura familiar

A iniciativa faz parte da segunda etapa da Qualificação dos Técnicos das Vigilâncias Sanitárias Municipais.

Treinamento acontece nas cidades de Castelo do Piauí e Campo Maior

A Secretaria de Estado do Planejamento (Seplan) e a Secretaria Executiva do Conselho de Desenvolvimento Territorial Sustentável do Território dos Carnaubais, em parceria com a Vigilância Sanitária realizam, de 14 a 16 de maio, em Castelo do Piauí, e de 20 a 22 de maio, em Campo Maior, o curso de Boas Práticas de Manipulação de Alimentos.

A iniciativa faz parte da segunda etapa da Qualificação dos Técnicos das Vigilâncias Sanitárias Municipais para o Sistema de Inspeção dos Produtos de Origem Vegetal do Território dos Carnaubais. Os técnicos das vigilâncias sanitárias dos 16 municípios do Território dos Carnaubais que serão qualificados na segunda etapa irão compor o sistema de inspeção dos produtos de origem vegetal e atuarão mais especificamente, junto aos produtos da agricultura familiar.

“A importância da implantação desse sistema de inspeção é atingir os 30% mínimos da compra direta das prefeituras de produtos da agricultura familiar, ou seja, a compra do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) vai ser realizada diretamente das mãos dos agricultores familiares. Até o momento, nenhuma prefeitura faz essa compra porque os produtos não são inspecionados”, explica o agente territorial do Território dos Carnaubais, Gecivaldo Gama.

Além da qualificação, que tem início nesta terça-feira (14), já foram realizadas outras duas etapas: na primeira, técnicos da inspeção vegetal e animal do Território de Carnaubais participaram de treinamento conjunto realizado nas cidades de Campo Maior e Castelo do Piauí; depois, os técnicos de inspeção animal participaram durante uma semana de treinamento prático e teórico em Teresina. 

Gecivaldo Gama destaca que a implantação do sistema de inspeção representará um melhoria na qualidade de vida da população do território. “Vai haver um salto na qualidade de vida, tanto da população, quanto dos próprios agricultores familiares, porque eles vão produzir com mais entusiasmo, com acompanhamento técnico e já terão os compradores diretos, que serão as prefeituras municipais”, diz.
 

Autoria: Fábia Adriana Vieira